Gestantes e Nutrizes

Gestação e alimentação

 

Todos sabemos que o período gestacional é uma fase que precisa de atenção e cuidados quando se trata da alimentação, uma vez que o bebê depende da sua alimentação. É uma ótima época para criar bons hábitos alimentares, não somente por conta da formação de uma criança no ventre materno, mas porque a mulher enfrentará uma maratona, serão poucas horas de sono e a atividade intensa nos primeiros meses com um recém-nascido em casa e isso exige muita disposição mental e física, sendo assim, a melhor forma de conseguir passar por toda essa mudança é tendo um ótimo plano alimentar diariamente.

 

O apetite das gestantes muitas vezes se altera durante a gravidez, umas têm o apetite diminuído, outras se tornam sentem mais fome que o habitual, e ainda há aquelas que continuam que se alimentam como antes. Mas é essencial que as mulheres saibam a importância de uma alimentação correta durante a gravidez, já que possibilita o seu bom estado de saúde, bem como o desenvolvimento normal do bebê.

 

O principal é que a gestante faça várias refeições ao dia, com isso consegue-se controlar as náuseas e vômitos, sintomas comuns no início da gravidez, podem ser diminuídos. No mínimo devem fazer 6 refeições diárias: café da manhã, colação, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia.

 

Durante a gravidez é imprescindível procurar um acompanhamento nutricional, para pode entender melhor suas novas necessidades orgânicas e montar um cardápio balanceado.

 

Cada etapa da gestação tem suas particularidades, abaixo vamos falar um pouco sobre cada ciclo da gestação.

 

Primeiro trimestre: o início de tudo, invista em ferro e ácido fólico

 

Nesse período inicial, não nota-se muitas mudanças no corpo da mulher ainda, mas a presença do HCG (hormônio gonadotrofina coriônica humana) no sangue indica que muitas alterações internas estão acontecendo. Ao fim da 12ª semana, a freqüência cardíaca e o volume do sangue estarão mais altas. A expansão sanguínea exige uma dieta com mais líquidos, ferro e ácido fólico. Já a necessidade de proteína aumenta por causa do crescimento dos seios e do útero.

 

A gestante então deverá consumir mais:

 

  • Flocos de cereais, fígado, carne bovina magra, sardinha, folhosos verde escuros, beterraba, feijão, banana, frutas cítricas, leguminosas como o grão-de-bico, castanhas, que são ótimas fontes de ferro e ácido fólico.

 

A suplementação é uma medida comumente adotada nessa fase, pois muitas vezes a gestante não consegue consumir a quantidade recomendada para esse período.

Uma dica importante é a forma de cozimento desses alimentos, o ideal é que sejam cozidos a vapor, a perda de nutrientes é pequena e isso favorece a boa nutrição.

 

Essa fase é também caracterizada pelos enjôos, que podem ser aliviados com truques alimentares simples de seguir, não fique muito tempo de estômago vazio, coma pequenas porções de carboidratos leves ao longo do dia, como macarrão e arroz sem temperos fortes, batata cozida e bolacha de água e sal. Outra dica muito simples é fazer pequenos cubos de gelos de suco cítrico (laranja, limão) e consumir quando sentir enjôo.

 

Segundo trimestre: diminui o desconforto, aumenta o apetite.

 

Nesta fase, o bebê começa a se desenvolver mais, com isso a energia aumentam as papilas gustativas voltam a funcionar como antes e os desconfortos são superados. Nessa etapa da gestação, a ingestão calórica aumenta e com isso a necessidade de ferro e cálcio também aumenta.

 

Como a comida volta a ser atraente, aproveite para fazer refeições saudáveis, dando preferência a opções ricas em fibras, como:

 

  • Cereais, pães integrais e frutas, e um pouco de proteína, como leite, queijos, iogurte e ovos. A banana, fonte de vitamina B6 e potássio, é uma opção nutritiva e substanciosa, procure consumir cinco porções de frutas diariamente, quanto mais variadas elas forem, maior a probabilidade de obter todos os nutrientes de que precisa.

 

Tão importante quanto o alimento é a hidratação, além de essencial para a saúde do bebê, a água ajuda a prevenir tonturas, prisão de ventre e ondas de calor típicas desse período.

 

Terceiro trimestre: se preparando para um parto tranqüilo

 

O bebê já está bem maior agora e com isso alguns desconfortos podem aparecer. No fim da gestação, a mulher sente muita fome, o segredo é comer pouco em várias refeições. Nessa fase o cálcio e ferro merecem atenção especial, pois o bebê começa a esgotar a reserva da mãe.

 

Por isso, combine alimentos ricos em ferro – presente na carne vermelha, nas aves e nos peixes – com bebidas que contenham a vitamina C, como suco de laranja, para maximizar a absorção do mineral.

 

Muito comum nessa fase é a prisão de ventre e hemorróidas, por isso ingira fibras e líquidos. Uma boa hidratação durante o dia ajuda ainda a controlar os inchaços

 

É um período de muito cansaço, a gestante precisa de energia, sendo necessário focar numa dieta nutritiva.

 

 

Pós-parto: alimentação saudável para revigorar o organismo

 

Mesmo depois de o bebê nascer, a dieta tem que se manter muito saudável, pois ele continuará a se alimentar através da mãe, pela amamentação, e a nutriz precisará estar preparada para essa nova fase.

 

Os cuidados que o recém-nascido exige poderão tornar difícil o preparo de refeições completas, mesmo assim poderá estar bem nutrida, tenha sempre à mão opções saudáveis, como uma fatia de pão integral com queijo e salada.

 

Durante a amamentação, hidrate-se ainda com maior rigor, pois o bebê mama de oito a 12 vezes por dia e, para tanto, são necessários cerca de 3 litros de água para compensar o leite produzido, pode consumir também sucos de frutas alternando com a água.

 

Nessa fase o foco maior é para o cálcio, cálcio, cálcio: o aleitamento também exige da mãe atenção à ingestão de leite e derivados, pois estima-se que, nessa fase, o organismo da mulher precisa de 1000 mg de cálcio por dia. Outros alimentos também são fonte de cálcio:

 

  • Gergelim, sardinha, aveia, folhosos verde escuro, avelã, castanha do Pará, são alguns exemplos de alimentos ricos em cálcio.

 

Se o bebê apresentar algum tipo de sensibilidade aos derivados do leite, o uso de suplemento vitamínico para repor o mineral deve ser recomendado por um profissional nutricionista

 

Durante a gravidez e pós o parto alguns alimentos devem ser evitados, como o café e bebidas energéticas, porque elevam a pressão arterial, bem como doces em excesso, evitando assim o ganho excessivo de peso e a ocorrência da diabetes gestacional. Bebidas alcoólicas estão fora de cogitação, elas causam a má formação do feto.

 

O segredo da alimentação na gravidez está na moderação e na variedade, então não exagere nas quantidades e busque variar o cardápio sempre que for possível. Assim você garante uma gravidez saudável e um parto tranqüilo.

 

SUCUPIRA, Leila Carneiro de Souza Leão; GOMES, Maria do Carmo Rebello Manual de Nutriçao Clinica, 2003.

http://brasilescola.uol.com.br/saude/alimentacao-gestante.htm

http://bebe.abril.com.br/gravidez/como-manter-uma-alimentacao-saudavel-em-cada-trimestre-da-gravidez/