Nutrição Clínica

Compulsão Alimentar

Até a década de 50 ignoravam-se possíveis diferenças comportamentais nos obesos. A partir de então, foi observado que alguns deles tinham mais depressão, transtorno de personalidade e transtornos de humor do que outros; como também a gravidade e início da obesidade variavam de caso a caso. Deste modo, começou a ser investigado, o que depois foi denominado de Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP).

Trata-se de uma síndrome caracterizada por uma grande ingestão de alimento em tempo delimitado (período de 2 horas), acompanhado por perda de controle sobre o que ou o quanto se come. Para caracterizar o diagnóstico, tais episódios devem ocorrer pelo menos duas vezes por semana em um período de seis meses, sem comportamento de compensação para evitar ganho de peso (vomitar ou expelir o que se ingeriu).

 

A compulsão é resultado de um conflito psíquico e de uma luta subjetiva entre duas funções opostas, estando o sujeito impossibilitado de escolher. Age a partir do sofrimento e sua irrefreável repetição.

 

Basicamente, por se tratar de um comportamento compulsivo, os pensamentos ou atos que o sujeito realiza lhe parecem um corpo estranho de uma força incontrolável. São pensamentos ou atos contra qual, normalmente, o sujeito gostaria de lutar.

 

Podemos afirmar que o que caracteriza a compulsão alimentar não é a gula, mas a relação do sujeito com o que come e com suas emoções.

 

Para cada pessoa o problema surge de uma forma. Mas podemos apontar problemáticas relacionadas à auto-imagem, auto-estima. E também, como foi dito, a origem pode ser relacionada a questões emocionais/afetivas.

 

Também - fator agravante - podem ocorrer tentativas frustradas de controlar o peso. E com a insatisfação e a falta de controle sobre o próprio corpo, ocorre movimento inverso: a pessoa passa ao uso indiscriminado de alimentos, como forma de resolver estes problemas emocionais.

 

Indivíduos com Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica apresentam maior comorbidade com outros sintomas em diagnóstico psiquiátricos, como por exemplo, transtornos de humor ou ansiedade:

 

- Sofrimento psicológico devido à depreciação da auto-imagem;

- Mal estar físico devido à grande quantidade de alimentos ingeridos;

- Vergonha por comer tanto e então, o indivíduo se isola;

- Depressão;

- Nojo de si próprio; e

- Culpa (o comedor compulsivo, por culpa, pode compensar com jejum de 2 dias e depois voltar ao ciclo de ingestão).

 

Os comedores compulsivos comem até o estômago doer e a ingestão desenfreada pode ser uma tentativa de preenchimento, e conseqüentemente diminuição, da sensação de angústia vivida internamente.

 

Seguem algumas atitudes para estabelecermos na nossa vida e diminuirmos a compulsão alimentar:

 

  • Comer concentrado é fundamental, então evite resolver problemas no momento que estiver comendo;

  • Apoie os talheres no prato a cada garfada para dar tempo do nosso corpo compreender o que é saciedade;

  • Coma sempre de 3 em 3 horas, evite ficar desesperado de fome, quando estamos nessa situação tendemos a exagerar a quantidade e não escolher bem nossos alimentos;

  • A diminuição do cortisol pode ser um dos fatores para o comportamento aparecer, ele geralmente ocorre quando ficamos longos tempos sem comer, portanto coma de 3 em 3 horas . Situações de estresse, tendem a diminuir bastante o cortisol, então buscar sempre alguma forma de canalizar o estresse é fundamental, opte por alguma coisa que te dá prazer, se for se exercitando melhor ainda;

  • A diminuição de neurotransmissores como serotonina, pode ser também um dos causadores da compulsão então a prática de atividade física pode ser uma grande aliada, já que ela ajuda a regularizar esse neurotransmissor gerando bem estar;

  • Consumir água durante o dia, além de ajudar na diminuição da retenção hídrica auxilia na questão da satisfação, muitas vezes quando sentimos fome, estamos com sede, pois a mesma região cerebral é ativada quando sentimos fome e sede;

  • A alimentação funcional também é uma ótima aliada, portanto opte pelo consumo alimentos fontes de vitamina B6 e triptofano como banana, salmão, frango, oleaginosas e leguminosas; *

 

 

Fontes:

 

http://psicologiadanutricao.com.br/compulsaoalimentar/#:~:text=A%20compuls%C3%A3o%20alimentar%20%C3%A9%20um,diminuir%20esse%20impulso%20%E2%80%9Cdevorador%E2%80%9D.

 

http://www.marisapsicologa.com.br/compulsao-alimentar.html